A campanha Limpar Portugal promete ser um exemplo de cidadania e de preocupação ambiental, resta saber se a cooperação entre a sociedade civil e as entidades públicas e privadas deixa frutos. Convém lembrar que compete ao Estado fiscalizar preventivamente a deposição dos lixos nas matas e em todos os locais não apropriados, o problema é que o Estado se demite em regra do exercício dessa sua função, justificando-se com a falta de verbas ou com a delimitação de competências da instituição A ou B. Vai que não vai os prevaricadores aproveitam e depositam lixo onde e quando querem.

Deveremos também ter coragem de assumir que a política de recolha pelos Ecocentros não favorece as boas práticas ambientais. O cidadão deveria ser premiado pelas boas práticas, o que acontece é que sendo obrigado a desembolsar alguns euros aproveita a via  mais fácil. Não é desculpa, é verdade! Mas se não se promovem verdadeiramente boas práticas de pouco servem as campanhas. O que a prática me diz é que tudo pode voltar ao momento, lembro-me de denunciar a deposição de lixo no campo de tiro da Estrada da Felgueira, assim como a situação da lixeira de Vale de Madeiros e, se a memória não me falha, a constante deposição de lixo no caminho que vai de Nelas para a Urgeiriça. No caso do campo de tiro foi colocada uma corrente e um aviso, só que não durou sempre. Se é um facto que ao Estado cabe fiscalizar estas acções, aos cidadãos compete, no mínimo, usarem algum bom senso que lhe reste, pois além do mau aspecto, estão a colocar o rastilho para eventuais focos de incêndio ou a contribuírem para a contaminação dos poucos cursos de água ainda não poluídos.

Dia 20 de Março vamos Limpar Portugal

publicado por José às 14:49