Apesar das ameaças esta Primavera está a ser semelhante a muitas outras, com alguns dias plenos de luz, com outros dias a desfazerem-se em chuva e escuridão. Pode parecer simplório colocar imagens mais ou menos primaveris, todavia, face à ameaça e às previsões actuais a Primavera é cada vez mais um resíduo na memória.

 

Talvez deva merecer atenção redobrada o estudo de uma universidade inglesa que aponta o próximo Verão como provavelmente um dos mais quentes, desde que existem registos. Um país vulnerável como o nosso à ameaça do calor exige que sejam tomadas medidas preventivas, seja de protecção da floresta ou da gestão dos recursos hídricos, mas também, ou talvez sobretudo, medidas preventivas que evitem mortes devido ao excesso de calor. É do conhecimento geral que As cinco ondas de calor registadas em 2006 provocaram 1.259 mortos no nosso país. E em 2007, com as previsões de calor infernal, como será? 

E o nosso concelho especificamente, tem algum plano a pensar no problema? Uma vez que não temos floresta, apenas pedras e algum mato, e uma parte substancial da população é idosa, importa projectar eventuais efeitos do calor e planear em tempo útil eventuais intervenções.

publicado por José às 18:25