Por certo não é uma temática local, todavia não podia deixar de manifestar a minha triste perante o anúncio do fim do jornal Blitz, ao que parece vai transformar-se numa revista mensal, o que nada tem a ver com o espirito de uma publicação que atravessou as últimas gerações, ainda lembro bem os primeiros números e a loucura que era conseguir um exemplar. Lembro os tempos de tropa em que continuava a pedir no quiosque de Nelas para me guardarem o delicioso Blitz. Sei que tudo na vida tem um principio e um fim, mas o que mais custa é que a concentração dos media em Portugal é que dita esse fim, não a lógica da importância, apenas do lucro fácil. Assim, 22 anos depois, ainda jovem, vai a sepultar por estes dias, rezemos, é o que nos resta.
publicado por José às 09:14