Em jeito de sequência da notícia que escrevi para o Planalto e que constitui o meu último texto aqui deixo um breve comentário sobre os 20 anos passados da explosão no reactor de Chernobyl, quando subitamente para alguns a opção pela energia nuclear em Portugal é cada vez mais um desafio, não importam os riscos, não importam os custos para o país, não importam as consequências ambientais. Fica claro que nunca iremos saber qual o número de mortos em sequência da explosão do reactor da central ucraniana, nem o número de mortos nem de pessoas directamente e irremediavelmente afectadas.
Tudo isto numa altura em que um grupo de países que estão no top da produção de energia nuclear para uso civil e no top da produção de armamento nuclear querem evitar que o Irão faça parte do seu grupo. Sem querer defender o Irão, o melhor é eles arrumarem primeiro a casa.
publicado por José às 09:27