Normalmente quando os outros nos criticam temos por preceito desafiar esses outros para serem eles a fazer. Nada disso me espanta, não fosse o facto de estar distante e ter uma vida muita ocupada não teria qualquer problema em participar na organização do próximo Rock in Mondego, digo participar pois ninguém faz aquilo sozinho.
Que fique claro, em momento algum "falo mal" da organização, pelo contrário.
Se bem se lembram afirmei que todos os meus comentários surgiriam publicados em próximo número do Planalto, não tenho medo de escrever para toda a gente ler, embora possa desagradar a organização, ou alguns, tudo o que pensava escrevi para que todos possam ler. Não alimento polémicas, todavia, acho que sendo um "mito" ou não do heavy metal (aquilo era heavy metal? ouço heavy desde miudo e aquilo pouco tem de heavy, no minimo será trash), adiante, dizia, sendo ou não um mito do heavy seria bom a organização repensar o cartaz em próximas edições.
Não vejo qual o problema em assumir isso. E não me digam q a falta de público se devem a outras festas na região, em parte pode ter sido verdade, mas não creio, como podem ler no artigo que escrevi "não vi nem sequer os familiares dos organizadores, nem outra malta do Folhadal", essa é a grande questão, nem a malta do Folhadal aderiu. Se assumir isto é falar mal da organização retiro tudo o que disse, embora não ache que seja falar mal, apenas ajudar a tentar perceber o q correu mal, não vamos fazer de conta que tudo correu bem.
Acho q sobre os Bednoise existem más interpretações sobre o que disse, gostei muito, tudo o que for dito não faz sentido nenhum.
Para terminar, creio que não adianta alimentar polémicas sem sentido, acredito que ambos, eu com palavras (não digam que as palavras não têm a sua importância), a organização do Rock in Mondego com factos, desejamos o melhor para a nossa terra e é nisso que nos deveremos concentrar.
publicado por José às 08:49